MaisDoutor.com
[ Login ]
 

Tamanho da letra
Na dietoterapia chinesa, cada sabor tem uma função para o organismo

 Para a medicina chinesa, cada alimento tem uma energia, capaz de gerar harmonia e até curar doenças.

Quando se fala em medicina tradicional chinesa, as pessoas logo pensam em acupuntura. Pouca gente sabe que a prática também inclui cuidados com a alimentação. Na dietoterapia chinesa, no entanto, os valores nutricionais saem de cena para dar lugar ao aspecto energético de cada alimento.
"Essa terapia propõe uma reeducação alimentar a partir de uma avaliação energética que leva em conta a rotina, a alimentação e os problemas de saúde que a pessoa apresenta", afirma a terapeuta Andrea Maciel Arantes.

De acordo com a dietoterapia chinesa, cada alimento tem uma energia, capaz de gerar harmonia, desintoxicar e até curar problemas do organismo.

Sabor e temperatura

Além de levar em consideração a direção energética dos alimentos, a dietoterapia chinesa reforça a importância dos sabores, que teriam uma função que vai além do paladar. Eles são divididos em: picante, doce, salgado, amargo e ácido. "Cada um dos cinco sabores provoca uma reação diferente no organismo", diz a terapeuta.

Alimentos picantes, como gengibre, pimenta, alho e agrião, mobilizam a energia do pulmão e provocam a transpiração, além de ajudarem a espantar a tristeza. "Os alimentos naturalmente doces, como mel e beterraba, trazem uma sensação de conforto e harmonização. Contudo, em excesso, podem gerar preguiça", explica Arantes.

Os salgados intensificam a energia dos rins, enquanto o sabor amargo, como o café, é bom para a saúde do coração. Para expelir toxinas, os alimentos ácidos, como abacaxi e limão, são os mais indicados.

Para a medicina tradicional chinesa, a temperatura dos alimentos também tem seu papel no equilíbrio corporal. Segundo a terapeuta, pessoas que sentem muito frio devem ingerir alimentos de natureza quente ou morna, como gengibre e canela, e condimentos naturais, como curry e alho, para reestabelecer a estabilidade.

"A hortelã, que é um alimento frio, é bom para inflamações e para pessoas que sentem muito calor, como mulheres na menopausa", explica.
Outra característica interessante da prática é a atenção aos horários das refeições. A dietoterapia chinesa defende que a cada duas horas um dos órgãos do corpo tem seu ápice de desempenho, por isso a alimentação deve seguir esse ciclo de energia. Segundo a terapeuta, ingerir certos alimentos fora do horário de plenitude de energia desequilibra as funções de outros órgãos, por se tratar de um sistema integrado.

• Consumo de pimenta é bom ou ruim para o organismo? 
• Antiestressante: Dieta yin e yang ajuda a equilibrar o organismo
• Banana, manga e abacaxi são consideradas frutas tóxicas? 
• Deve-se evitar o consumo de frutas cítricas pela manhã 
• Hipertensos podem consumir chá verde?

Resultados

A dietoterapia chinesa é indicada para pessoas de todas as idades, mas antes é preciso uma avaliação energética individual. "É feita uma avaliação na qual investigamos a alimentação, a rotina e os problemas de saúde que a pessoa apresenta. A partir disso, indicamos quais alimentos devem ser consumidos e em quais momentos do dia, para que isso beneficie o corpo adequadamente", explica Arantes.

De acordo com a terapeuta, embora o objetivo não seja emagrecer, as pessoas acabam perdendo peso por causa da reeducação alimentar e do equilíbrio energético promovido pela dieta.

O nutrólogo José Alves Lara Neto, vice-presidente da Abran (Associação Brasileira de Nutrologia) , questiona a eficácia desse método. "Cada cultura tem sua realidade, mas acredito na questão do ciclo biológico. Os sabores e temperatura dos alimentos não são capazes de curar enfermidades, por exemplo. É mais uma questão de cultura do que uma terapia", afirma.

Em contrapartida, a nutricionista Simone Carrera Fernandes, que conheceu a medicina chinesa por meio da irmã, está seguindo a dietoterapia há cerca de três meses e conta que o resultado é significativo.

"Tenho entendimento sobre dieta e sobre os alimentos, e sei que esse método vai na contramão do que eu estudei, mas senti a diferença. Houve uma redução do peso, nunca mais tive mal-estar e dores que costumava ter com frequência", afirma.

 Fonte: http//noticiasuol.com.br/saúde/2013/08/23                             

              
               © 2012 MaisDoutor | Todos os Direitos Reservados                Home | Institucional | Vantagens | Dúvidas | Política de Privacidade | Anuncie | Contato